Complexo Mirante Lúcia Almeida – resgate da história com lazer e turismo

Por Prefeitura de Manaus – 28, maio, 2024


Manaus ganhou um novo complexo destinado ao lazer, turismo, com a valorização da cultura local, e com um diferencial: de frente para o majestoso rio Negro. O Complexo Mirante Lúcia Almeida compreende ainda o Casarão Thiago de Mello, em homenagem à memória e obra do poeta, e o Largo de São Vicente, com 3,5 mil metros quadrados, interligando esses espaços.

O prédio do Mirante tem mais de 5 mil metros quadrados, distribuídos em quatro pavimentos, com quiosques e restaurantes, auditório, espaços para exposições artísticas e da economia criativa. E no último andar, um magnífico mirante, de frente para o rio, de onde é possível ver a orla do Centro histórico de Manaus e a ponte sobre o rio Negro.

Para garantir o acesso a todos, o Instituto Municipal do Planejamento Urbano (Implurb) da Prefeitura de Manaus, autor do projeto, também priorizou rampas de acesso, elevadores, estacionamento com vagas para PCDs, gestantes e idosos. E para quem tem pets, um espaço reservado para momentos de muita alegria com o animal de estimação.

Na segurança, todo o complexo é monitorado por câmeras, interligadas a uma central de videomonitoramento. Além disso, o complexo e arredores contam com a vigilância da Ronda Ostensiva Municipal (Romu), uma divisão especial da Guarda Municipal de Manaus.

Nos próximos meses, o complexo estará completo. Receberá um píer turístico, com 180 metros de extensão. E deverá se chamar Pier 355, em referência ao aniversário da cidade neste ano. Como o espaço está localizado do lado da área do Porto de Manaus onde os transatlânticos atracam, o mirante é parada obrigatória, um digno cartão de visitas da capital amazonense.

REQUALIFICAÇÃO

Para quem conhece o complexo agora, não faz ideia de como os espaços eram, há um ano, degradados e ocupados por moradores em situação de rua. O mirante foi prédio de uma companhia energética, abandonado, utilizado inclusive para o consumo de drogas ilícitas. E onde hoje é o Largo de São Vicente, era um conjunto de lotes abandonados, tomados por mato.

O projeto é parte do Programa Nosso Centro, de reabilitação de áreas degradadas, que valoriza novos espaços de convivência, lazer e de fomento ao turismo. Em décadas, este é um dos projetos arquitetônicos mais importantes de resgate do Centro histórico de Manaus, berço da cidade. E onde tudo começou, agora muito mais vida e alegria, para os manauaras e para quem vem conhecer a cidade.

Prefeitura de Manaus.

No lazer, cultura e no turismo, o trabalho também não para.